Carol Lisboa Mulata Do Rabo Gigante

6 min

Categoria:

Tag: , , , ,

visualizações

6 min

Categoria:

Tag: , , , ,

Carol Lisboa Mulata Do Rabo Gigante

Carol Lisboa Mulata Do Rabo Gigante

"Ola meu nome é Adson tenho 18 anos um pau em cerca de 18,7 cm e é bem grosso bom minha mãe e uma mulher de 38 anos tem uma bunda bem grande e um peito maravilhoso isso aconteceu num certo dia q minha mae estava estranha e ficava o tempo todo no quarto quando foi a noite eu ouvi ela gemendo eu pensei q ela tava passando mal quando entrei ela tava se masturbando aquela sena de uma mulata toda molhada com dois dedinho na bucetinha q maravilha de mulher ela tomo um susto quando me viu e grito mandado q eu sai se do quarto eu sai e fiquei no meu quarto pensando nela na hora ninguém lembra q era sua mãe eu nunca desejei tanto uma mulher,eu custumo dormi só de cueca enquanto eu tava dormindo eu senti uma sensação muito gostosa no meu pau eu pensei q tava sonhado mais tava tão gostoso q eu pensei comigo não pode ser um sonho ate abri os olhos e ver aquela sena de uma mulher chupando meu pau não acretitei fiquei em estado de choque ai minha mãe disse,filho desculpa a mãe te gritado com vc e q a mãe ficou muito tempo sem si satisfazer e a mãe presisava disso,eu rir e ela falo q não sabia um jeito de mi desculpa então entrei no quarto e vi essa piroca maravilhosa a mãe não se siguro vc deixa a mãe usa essa piroca pra mi satisfazer,eu balançei a cabeça…O resto da historia conto na próxima vez essepero q gostem pq essa história tem um ótimo final-FILHO DA PUTAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA.

""-AAAAAAAAAHHHHHHHHHHH QUE SAUDADE DESSA ROLA GIGANTE…. Cheguei ao tal barzinho, foi quando o tal português de nome Antônio se aproximou de mim, era um homem grisalho de aparentemente 45 anos, muito atraente, estava com uma alça jeans e uma camisa social, um sapa-tênis segurava em uma das mãos uma cerveja, ele foi bem solicito, veio logo me cumprimentando com um abraço, quando ele me abraçou, notei o quanto era maravilhoso o seu perfume o notei o quanto era forte o seu abraço, ele me perguntou se eu aceitava uma cerveja, então eu recusei, não tenho o costume de beber, ainda mais com um estranho, ele perguntou onde eu gostaria de ir e saímos para dar uma volta pela cidade, como ele morava em Lisboa e estava a pouco tempo no Brasil, não conhecia muito bem, nosso nossos barzinhos e cidades. Carol deu um sorriso de lado e falou:-Sabe, meu casamento tá uma porcaria.